INTRODUÇÃO

Muito já foi dito e escrito sobre a Nigéria, o povo e a cultura, a economia e as políticas, que leva à tona o tremendo potencial deste Gigante africano. Porém, pouco se sabe no mundo afora sobre as muitas interessantes atrações turísticas disponíveis na Nigéria: Locais históricos entre rios e florestas tropicais, empolgantes vistas montanhosas, aldeias de riacho remotas, kilometros extensos de praias primitivas e exóticas reservas selvagens nacionais. Também há museus, festivais, música e dança, uma rica mistura cultural inclusive as feiras tradicionais cotidianas. Tudo isso representa apenas algumas das vistas espetaculares e delícias sensuais que esperam por turistas visitando a Nigéria.

A Nigéria tem a maior população de todos os países na África (aproximadamente 140 milhões), e a maior diversidade cultural, modos de viver, cidades e terrenos. Com uma superfície total de 923.768 km2. (356.668 milhas quadradas.) a Nigéria é o 14º país com maior superfície na África. Seu litoral, no Golfo de Guiné, cobre 774 km (480 milhas.). A Nigéria divide a sua fronteira internacional de 4.470 km (2.513 milhas.) com quatro vizinhos: Chade, Camarões, Benin, e Níger. Até 1989 a Capital da Nigéria era Lagos, que tem uma população de cerca de 2.500.000, mas o governo se mudou para a nova Capital Abuja em 1991.

 


HISTÓRIA

Praticamente todas as raças nativas da África são representadas na Nigéria, isso explica a grande diversidade do seu povo e da sua cultura. Foi na Nigéria que os povos bantu e semibantu, migrando do sul e do centro da África, se misturaram com os sudaneses. Em seguida, migraram os demais grupos, tais como os shuwa-árabes, os tuaregues, e os fulanis que estão concentrados no extremo norte, para a região norte da Nigéria dando seguimento às ondas migratórias que sacudiram o deserto de Saára. Os primeiros ocupantes da Nigéria se instalaram na faixa florestal e na região do Delta do Níger. Hoje, se estima que há mais de 250 grupos étnicos na Nigéria. Enquanto não há nenhum grupo com absoluta maioria numérica, quatro grupos principais détem 60% da população: Hauçá-Fulani no norte, Yoruba no oeste, e Igbo no leste. Os demais grupos incluem: Kanuri, Binis, Ibibio, Ijaw, Itsekiri, Efik, Nupe, Tiv, e Jukun.

Para o embaixador plenipotenciário da Nigéria no Brasil, Kayoe Garrick, buscar o estreitamento das relações entre o seu país e o Brasil está no rol de prioridades do seu governo, sobretudo no setor de energia. Em entrevista concedida à Revista da FCCE, durante o Seminário Bilateral de Comércio Exterior e Investimentos Brasil-Nigéria, o diplomata disse acreditar que as condições são mais do que favoráveis para que esse objetivo seja alcançado. Ocupando o cargo de embaixador no Brasil desde 2005, mas atuando na pasta de Relações Exteriores do seu país há duas décadas, Garrick se refere às semelhanças culturais, populacionais, geográficas e climáticas, além do processo de saneamento econômico conduzido pelo governo nigeriano, como os pontos necessários para que a aproximação entre Brasil e Nigéria se dê de maneira mais consistente.Acompanhe os trechos da entrevista.